Desmatamento na Amazônia aumenta mais de 50% em janeiro

 em Notícias, ods, ods15

Durante o primeiro mês de 2019 foi registrado um crescimento de 54% no desmatamento da região amazônica, em comparação ao mesmo período do ano anterior. Em janeiro, segundo o Boletim do Desmatamento (SAD), realizado pelo Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia, Imazon, foram detectados 180 km2 de destruição da floresta. Em janeiro de 2018, eram 70 km2.

Os estados que mais desmataram foram Pará (37%), Mato Grosso (32%), Roraima (16%), Rondônia (8%), Amazonas (6%) e Acre (1%).

Como nos meses anteriores, a maioria (67%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante do desmatamento foi registrado em assentamentos (21%), terras indígenas (7%) e Unidades de Conservação (5%).

Áreas de proteção em risco

No mês passado, o Imazon também divulgou um estudo sobre as ameaças e pressões que as Áreas Protegidas (APs) sofrem. O instituto faz as seguintes distinções entre os dois termos:

– Ameaça: é a medida do risco iminente de ocorrer desmatamento no interior de uma APs. Utilizamos uma distância de 10 km para indicar a zona de vizinhança de uma AP na qual a ocorrência de desmatamento indica ameaça. Muitas APs resistem a esse tipo de ameaça não permitindo que o desmatamento penetre em seus limites.

– Pressão: ocorre quando o desmatamento se manifesta no interior da AP, levando a perdas de serviços ambientais e até mesmo à redução ou redefinição de limites da AP. Ou seja, é um processo interno que pode levar a desestabilização legal e ambiental da AP.

De acordo com o levantamento, que analisou o período entre agosto e outubro de 2018, as APs mais ameaçadas foram a Resex Chico Mendes, no Acre, e a Flona do Iquiri, no Amazonas.

O Imazon apresentará a cada trimestre um relatório sintético de Ameaças e Pressões em APs com base em dados de alertas de desmatamento do SAD e um relatório anual com dados detalhados.

*Os alertas de desmatamento e degradação florestal realizados pelo Imazon são gerados pela plataforma Google Earth Engine (EE), com a utilização de imagens de satélites e mapas digitais. Todavia, os índices de deflorestamento da Amazônia publicados pelo instituto não são oficiais. O governo só leva em conta os dados elaborados pelo Inpe, que frequentemente apresenta números diferentes aos do Imazon. A discrepância nos resultados se dá ao uso de metodologias distintas de avaliação

 

Foto: Felipe Werneck/Ibama/Creative Commons/Flickr

Postagens Recomendadas

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar